Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

ª Oh dia do camandro! *

Começou logo de manhã. O despertador não tocou, logo levantei-me meia hora mais tarde o que interferiu brutalmente na minha rotina da segunda feira.

 

Tenho de sair por volta da uma da tarde para ir encher cabeças de putos de inglês - entenda-se dar aulas - na minha primeira escola e só me lembrei que não tinha feito as fichas de trabalho para deixar a fotocopiar para o dia seguinte, ao meio dia! Pensei para com os meus botões "já tenho as aulas todas engatadas por causa do despertador... que cena, pá!" Como é que eu iria conseguir fazer 5 fichas de trabalho numa hora para dois níveis diferentes?

 

Incorporei a super teacher, liguei o turbo dos neurónios e dei a velocidade máxima aos dedos. Creio ter visto fumo a sair do meu computador e teclas a saltar por todos os lados mas estranhamentos, estão cá todas! Anyway, eram dez para o meio dia e já estava tudo feito e "empremido"! Sobraram 10 minutos para almoçar, lavar a dentuça e apanhar o bus! Prova superada! Ufa!

 

Tenho o GRAVE defeito de me descuidar com as horas se não houver toques de saída nas escolas. Continuo ali a ensinar, ensinar, ensinar.... Ora hoje foi um dia desses: continuei a ensinar, ensinar, ensinar... até que percebi que tinha dado mais 15 minutos de aula e que nem os miúdos se queixaram, nem eu dei pelo tempo passar e nem as auxiliares me alertaram!!!

 

Bolas, chiça salsicha! Perdi o meu bus que me levava à minha segunda escola!!! Das duas uma, ou entro em pâico e tenho já um treco... ou dois, vá, ou respiro fundo e tento chegar até ao minuto e que toca para a entrada. Respirei fundo e sequei na paragem - enquanto roía mentalmente as minhas unhas - até que um bus aparecesse e me fizesse sair do "Cu de Judas City". Ainda me fartei de rir com um maluco que ali entrou. Agradeci-lhe mentalmente pelo momento de loucura ali demonstrado e que me descontraiu... 

 

Pelo sim, pelo não liguei para a escola para avisar que iria chegar em cima da hora. Mas lá já sabem que eu chego sempre a horas e, desta vez, não foi excepção. acabei por chegar a horas e ainda ir fazer um xixizinho antes de me enfiar na sala! Mais uma prova superada! Ufa... take II! :

E este era mais um excelente dia para ficar em casa!

 

Ah pois é! Para começar muito bem o dia, debato-me uma teimosia com o meu computador... clica para aqui, pensa para ali, clica para aqui, pensa para ali e não passávamos da cepa torta! Pensei cá para os meus botões Ai és assim para mim? Espera lá que já te trato da saúde! Um, dois, três... RESTAURO DO SISTEMA! Toma lá e não refiles! E foi mesmo remédio santo pois normalizou tudo.

 

Depois de imprimir o que não estava a conseguir, despachei-me e saí mais cedo de casa para ir para a escola. Estive à espera de um BUS 20 minutos! Eu só pensava Onde estão os que passam a esta hora? E olhava para o relógio, meia confusa. De repente, fez-se um clique no meu pobre cérebro já desfeito por causa do despique com o computador. Então era dia de greve do Metro e eu nem me lembrava?!? Mas porque me haveria de lembrar se não o utilizo e, exceptuando hoje, nunca me afecta? Hum.

 

Em suma, mesmo não precisando do Metro, fui afectada pela sua greve: 20 minutos de espera por um BUS, a respectiva perda daquele que me leva à escola quase todos os dias e consequente atraso às aulas. Fiquei com meia hora para passar tempo até chegar o seguinte. Decidi ir tomar um café.

 

Peço o café e, enquanto o adoço, chega um homenzito que fica ao meu lado e também pede um café. Subitamente, toca-me no braço todo embaraçado, a pedir-me desculpa: tinha entornado o café e qu-a-se que me deu um banho. O homenzito ficou tão melindrado e a sentir-se mal que eu só lhe disse Deixe lá, acontece a todos... e se me tivesse caído todo em cima não fazia mal... até estou vestida de castanho! E coloquei um sorriso no rosto para minimizar a coisa, enquanto o homenzito me pedia mais de mil desculpas.

 

Cheguei atrasada dez minutos à escola mas cheguei. Podia ter avisado que ia chegar atrasada? Poder, podia mas não o fiz. Um outro dia em que cheguei  cinco minutos atrasada, liguei para todo lado a pedir para avisarem do meu atraso e, no fim de contas, quando lá cheguei ninguém tinha sido avisado. Conclusão: poupei dinheiro no telemóvel e o efeito foi o mesmo!

 

Ando P* Da Vida!

Desconfio que isto é algum complot. Ou foi alguma praga de aluno ou da "mana" do zoo ou das forças do universo que se uniram para me tramar.

 

Há dois dias que não posso sair de casa. Isto é, poder, posso...  mas se embarcar num quatro rodas é que está tudo estragado! Ando eu a contar todos os minutinhos e segundos para conseguir conjugar os transportes todos, saltito daqui, saltito dali e lá entro eu nos "meus" autocarros triunfante e contentinha.

 

Mas ontem começou a fase "vermelha", vamos denominá-la assim. Fosse onde fosse e a que horas fosse, havia um... era meu! e eram todos seguidinhos... Uma alegria!

Atravessei Lisboa a papá-los todinhos, não falhei nem um! Em vez de demorar vinte minutos, demorei meia hora.

 

Hoje a mesma coisa. assim que pus os pés num quatro rodas, começei logo a papá-los assim que saímos da paragem. Epá, assim fico enjoada! Até gosto da cor, sou do Benfica mas tanto semáforo vermelho, NÃO, obrigada!

 

Por acaso não há ninguém que meta umas cunhas aos sinhores que programam os semáforos? É que me dava um jeitaço chegar a horas mais decentes ao trabalho!

 

Desplantes de Várias Espécies

Porque é que as segundas-feiras têm de ser sempre tão complicadas?

Nunca mais me lembrei que hoje começava um novo mês. De manhã acordei com uma buzinadela ao ouvido a dizer que era Outubro. Socorro! Não comprei o passe! Comecei a arranjar-me à pressa para sair mais cedo de casa para poder comprar o passe antes de ir fazer o penso! Ainda por cima não tinha dinheiro. Caraças, pá! Ainda tinha de ir ao MB…

Dez minutos na fila. As trombas do sr. Vendedor-de-passes é sempre a mesma. Parece que todos lhe devem e ninguém lhe paga, é simpatia e estupidez a rodos. Grrr!

 

Cheguei ao centro de saúde eram dez para as dez. Sentei-me à espera que me chamassem e observei o ambiente à espera de encontrar alguma coisa com que me distrair. Vi os pensódependentes que, tal como eu, estão lá todos os dias batidos pra gastar dinheiro ao estado em forma de compressas, adesivos e afins.

Eis senão quando uma voz mais alta se levanta. Mas foi mesmo uma voz mais alta!

- “Tenho direitos” dizia ela. “Tenho direitos. Não há direito uma pessoa estari aqui tanto tempo à espera! Tá mal…” Ninguém lhe passava cavaco. “ Só os vejo chegar aqui, tirari a senha e iri para ao pé do balcão e ser atendidos”, mais uma posta de pescada.

Passado mais um pouco, voltou ao mesmo discurso.

- “Eu é que não quero passar à frenti de ninguém… mas tenho direitos… fui operada ao coração e não posso estar aqui à espera tanto tempo… tá a ver aqui?” e nisto abre o decote e mostra a mama ao segurança.

- “Só aqui é que sou tratada assim. Veja lá que fui às Pedralvas vescar uns papéis e passei à frenti de toda a gente. Até descutiram por causa disse.” E partiu em direcção ao guichet.

 

Estranhei serem 10 e 20 e não ter sido chamada. Fui à sala de tratamentos e perguntei, toda delicodoce, se já me tinham chamado. “Já, sim senhora”, respondeu-me a enfermeira. Glup! Já me chamaram?!? Como é possível?!? “Já me chamou? Mas eu estou aqui desde as 10 pras 10…” respondi eu, atordoada. “Ah é que não tinha ninguém antes da sua marcação e eu chamei-a… até já atendi a pessoa que estava depois de si. Eu hoje estou muito acelerada!”

Opa, só me apeteceu mandá-la àquela parte! Então chama-me antes da minha hora marcada e já não me chama mais?! E que culpa tenho eu de não haver ninguém marcado antes de mim???? Não me digam que agora também tenho de fixar se está alguém marcado antes de mim! Tal não está a porra, hein?!

Antes de me vir embora, perguntei-lhe se estava lá amanhã. Ela respondeu que não. Iupiiii…!

 

Fui tomar o meu descafé da praxe e depois fui apanhar o bus. Passou por mim um gajo novo, todo apanhadinho da molécula. Qualquer dia fico igual a ele. Então não é que ia a falar sozinho e depois ia tocando em todas as superfícies em seu redor. Teve de tocar na estrutura metálica da paragem, nas paredes, nos postes e até se baixava para tocar no chão… ao que uma pessoa chega… :/

 

Descobri que o puto do 1º ano que se portou mal na sexta-feira, “tem problemas”. Foi avaliado por um psicólogo mas não tem nenhuma doença, propriamente dita. A doença dele é excesso-de-vontades-feitas-para-não-chatear-a-cabeça-aos-pais. E é assim que nos livramos das birras dos nossos filhos. Depois, os outros que aturem as birras. Os outros não, os profes! Quem devia levar uns bons pares de estalos não era o puto mas sim os papás para ver se lhes entrava na cachimónia que não é assim que se educam filhos…! Tenho dito!